Chip da VIVO - A saga. Parte 1

Tuesday, October 21
E então estava eu, decidida a comprar meu chip custe o que custasse. Na escola me dão a informação que eu não precisaria ir até o Centro, que na Encruzilhada tinha uma loja da Vivo.
Sim, eu pensei como vocês... Encruzilhada? Macumba? Como algo pode dar certo ficando num bairro que se chama assim? O fato é que descobri que este bairro fica até perto de onde eu trabalho. Antes disso fui almoçar. Novas informações, elas chegam como aqueles filmes de espionagem, sussurradas. Havia uma loja da Vivo perto da escola. Escondida, mocada... Lá fui eu. Nada de chip. Não podia ser tão fácil. 
Então fui caminhando feliz debaixo do sol escaldante, ao som de Pearl Jam, rumo à Encruzilhada. Ao longe, avisto a loja da Vivo... Roxa, destacada. E pessoas. Muitas pessoas. A loja estava com metade da porta fechada. Chip? Nada. Chegaria mais tarde. Quando? A atendente não sabia. 
Meu espírito fica alquebrado, quase desisto. Ligo para Honey. Escuto a palavra de motivação: "Porque você tem que fazer isso hoje? Dá pra deixar pro final da semana! É, você não trabalha a tarde mesmo..."
¬¬
Tudo que eu precisava ouvir para ficar louca de raiva, pedir um sorvete e retomar minha luta. A loja estava cheia de gente na porta. Havia uma luz... um horário: 16:00. Eram 15:00. O que são 60 minutos debaixo de um sol insuportável? Começo a conversar com as pessoas, fazer alianças. Como os seres humanos são solidários na agonia. Organizei até uma fila. Mas minha esperança durou pouco. Logo chega um atendente dizendo que não haverão chips avulsos, só com o aparelho. Que está em falta na cidade inteira. Que nos matemos. 
Então uma menina com quem eu estava conversando me diz: "Me disseram que no Shopping Tacaruna tem. Você quer ir? Se você for, eu vou." . Eu fui. A sensação é que as pessoas no ônibus estavam indo para Vivo, que as pessoas na rua tinham o mesmo destino... Argh.
No Shopping, o óbvio: muita gente, nenhum chip. Na frente da loja, uma confusão generalizada. Todos lá para comprar o aparelho, já que não havia chip avulso. Frustração. Eu e minha mais nova melhor amiga fazemos promessas, quem achasse o chip ligaria para outra, a gente precisava se unir para vencer a situação.
Voltando pra casa, não havia desistido. A esperança é a última que morre. Tem uma loja da Vivo perto de casa. Quem sabe? No caminho da loja, uma banquinha perdida. Não custa perguntar, né?
-"Tem chip da Vivo?"
-"Tem!"
-"AHN????"
Sim, eu havia caminhado a tarde inteira e o famigerado chip estava lá, do lado de casa. Aí acontecem as surpresas. Meu celular não era compatível com o chip. GREAT. Penso: "Existem 3 aparelhos de celular na minha casa, não é possível que nenhum seja compatível..."
É possível.
E os 1000 reais de bônus não são beeeeem assim. Eles são disponíveis a partir das 20 hrs até 7:59 da manhã. Plus sábado/domingo/feriados. Quase um chip da Claro em Curitiba. Mas tá beleza.
Honey, pra completar meu dia surreal, não vem buscar o lazarento do chip. Tá cansado. Eu também estou, sabe? Morta. Mas queria ver você, lazarento. Pra me sentir menos frustrada com minha existência. Tô na fase carente-frustrada-depressiva. Mas tá.
Amanhã a saga continua. Vou comprar um aparelho. NÃO ACREDITO. Mas vou comprar um @#$ de um aparelho.
E boa noite.

1 consideraram:

lis said...

Naty,
Credo, que saga! Essa história toda tem nome viu? Desrespeito ao consumidor! Eu tô com a Vivo quase me chegando no limite. Uma hora dessas troco de operadora. Mas sabe que um amigo meu reclamou - tempo desses - para a Anatel reclamando deles e adiantou?

Mas...respire...não entre de cabeça na fase carente-frustrada-depressiva...rsrs. Esse tipo de personialidade só quer um brechinha pra nos dominar, rsss

Beijos querida, bom dia!

Post a Comment